Tipos de Taças de Vinho

tipos-de-tacas-de-vinho

Tipos de Taças de Vinho

Após diversos estudos realizados para o desenvolvimento da técnica, foi possível entender quais são os fatores que influenciam na escolha da taça. Os recipientes são criados com o intuito de conduzir a bebida para o nariz e boca ao mesmo tempo, além dos olhos que devem perceber o realce das tonalidades do vinho. Sendo assim, os aromas e sabores podem mudar e se tornar ainda mais atraentes, se sentidos por pessoas que sabem diferenciar um vinho unicamente pela troca de recipientes.

 

Segundo os especialistas, são quatro modelos essenciais: uma taça exclusiva para os vinhos brancos, duas para os tintos (uma para o tinto Borgonha e outra para o Bordeaux), e não podia faltar, por último, uma taça para os vinhos espumantes.

 

Para os que gostam de vinhos doces e também os rosados, vale apostar na compra de uma taça para cada um deles.

 

As diferentes taças de vinhos, que são adequadas para a degustação dos mesmos, dando destaque aos aromas, sabores e lembranças.

 

Vinhos brancos:

As taças para os vinhos brancos geralmente possuem um corpo um tanto quanto menor. O vinho branco é famoso pelo consumo em temperaturas mais baixas e, por conta disso, as taças devem dispor de um recipiente menor para o líquido, possibilitando menores trocas de calor com o ambiente. Além disso, o corpo da taça menor possibilita aos amantes do vinho branco sentir cada nota da uva, sentindo a doçura e a acidez proposta por esse tipo de líquido.

 

 

 

Vinhos tintos:

O vinho tinto já possui uma taça diferenciada do que a para o vinho branco, até porque essa deve acompanhar o ritmo proposto pelo estilo de vinho. O vinho tinto tem sabores e aromas muito mais intensos e fortes e, por conta disso, é sempre necessária uma pausa para respirar. A taça, por sua vez, possui um corpo grande, para que a bebida possa balançar o suficiente. Vale destacar que nunca se pode preencher uma taça inteira com vinho tinto, e sim colocar no recipiente unicamente o necessário para ocupar um terço do mesmo.

 

Mas, as taças para vinho tinto ainda possuem outra diferenciação, em relação aos vinhos tintos de caráter Borgonha e Bordeaux. As taças, inclusive, foram batizadas com esses nomes para dar destaque às regiões francesas que produzem esses vinhos.

 

Borgonha

Os vinhos franceses da região de Borgonha são conhecidos essencialmente pela complexidade e pela concentração de sabor que lhes é imposta pela uva Pinot Noir. As taças, com formato de balão, são as indicadas por conta do contato com o ar, que acontece com mais frequência. O recipiente permite então que o nariz fique em destaque e possua desfrutar de todos os aromas do vinho. Enquanto isso, o formato ainda possibilita que o fluxo de vinho chegue na região da ponta e centro da língua, o que diminui a acidez proposta pelo vinho.

 

Bordeaux

A taça Bordeaux tem como objetivo abrigar os vinhos mais fortes e encorpados. Esses vinhos, que geralmente são feitos a partir da uva Cabernet Sauvignon, devem ser bebidos por meio de taças com bojo grande, porém, com uma borda mais fechada para que seja possível a concentração de todos os aromas propostos pelo sabor da uva. Assim sendo, a aba fina da taça leva o fluxo do vinho diretamente para a ponta da língua, fazendo com que os sabores cheguem ao conhecimento do indivíduo antes mesmo do sabor do tanino, que vai diretamente para a parte de trás da boca.

 

Vinhos rosados:

Os vinhos rosados, ou conhecimentos popularmente como “vinhos rosés”, representam um tipo especial de vinhos. Eles conseguem misturar o aroma forte, característica oriunda dos vinhos tintos, com o aroma mais suave dos vinhos brancos.

 

A taça para esse tipo de vinho costuma ser então menor do que a para os vinhos brancos, mas com um bojo maior. A intenção da taça é fazer com que a acidez do vinho venha à tona, equilibrando a doçura proporcionada pela mistura. As taças para vinhos rosés são pouco comercializadas, já que poucas são as marcas que a criam. Se você não a encontrar, pode usar uma taça para vinho branco.

 

Vinhos espumantes e champagnes:

Os vinhos espumantes, ou champagne, geralmente acompanham uma comemoração especial, e para que isso se complete, não devemos nos esquecer também das taças específicas.

Para um espumante comum, por exemplo, há de se indicar a taça chamada de flûte, ou flauta. Essa taça, encontrada com frequência, se destaca por ajudar os paladares a apreciar as borbulhas. Além disso, o fluxo fica acima da língua e os aromas diretamente no nariz, o que mantêm o equilíbrio e proporciona uma saborosa profundidade de sabores. Nesse caso, quanto mais bojo possuir a taça, melhor o sabor fica, pois quanto mais reta, menos os aromas poderão ser alcançados. Se a champagne for de safra especial, as taças de corpo curvo são mais adequadas para que o sabor da fruta venha à tona.

 

 

 

Vinhos doces:

Para o consumo dos vinhos doces, o bojo é pequeno e o motivo é simples: os vinhos fortificados geralmente são consumidos em quantidades menores e, por conta disso, as taças também são estreitas na parte de cima. Esse design diferenciado é o que auxiliará na condução da bebida para a ponta da língua, lugar onde a doçura do vinho é melhor percebida.

 

 

 

 

 

A tão famosa “taça ISO”:

A Taça ISO, conhecida popularmente como “coringa”, foi criada no ano de 1970 com um objetivo simples que facilitou a vida de muitos amantes da bebida: a taça serve para acompanhar qualquer tipo de vinho. Se você ainda não possui um acervo de taças, por exemplo, essa é certamente a primeira que você deve comprar.

O bojo dela é maior e na parte superior ela é mais fechada, sendo ainda um modelo relativamente pequeno quando comparada com outros. Totalmente cristalina, essa taça tem como principal objetivo dar destaque aos aromas do vinho.

 

 

Fonte: vinhopedia.com.br